Taverna Corvo Negro – Onde jogar.

Taverna Corvo Negro – Onde jogar.

Olá Leitor!

 

Se você acompanha regularmente meus escritos aqui no The Painting Frog as chances de que você compartilhe algum dos meus hobbies é grande já que os assuntos sobre os quais escrevo acabam sendo assuntos de nicho, logo, você deve jogar alguma coisa. Sendo assim você também já deve ter ouvido ou até mesmo participado em um diálogo mais ou menos como esse aqui:

” – Ei! E o RPG do final de semana? Vai rolar?

– Poxa, eu topo fácil. Vamos terminar a campanha!

– Eu também vou amarradão. Vamos sacanear os planos do Mestre para a campanha.

– Lógico! Tô nessa só pela zoação e pela comida.

– E ai? Jogamos onde?

– Putz, lá em casa não rola, Minha mãe proibiu depois da vez que jogamos RPG e quebramos a porta de vidro.

– Eita! Minha mãe também não quer mais que eu receba vocês depois que vocês comeram as coisas do meu pai que estavam no frigobar e folhearam a coleção de Asterix dele.

– Lá em casa também não rola mais depois daquele dia que fomos jogar na minha sogra e o cachorro morreu enquanto jogávamos. Ela me culpa até hoje.

– Podia ser lá em casa, mas a minha esposa não vai mais com a cara do fulano depois que ele discutiu com ela.

– Minha namorada não quer mais que eu leve vocês em casa por conta da sujeira que fica na cozinha toda vez que jogamos lá em casa.

– Em casa também não rola mais depois que a minha namorada achou que a sua namorada fica me encarando quando nos reunimos.

– Deixa quieto então. Jogamos outra hora.

– Partiu Netflix?

– Não posso ver Netflix. Sou cinéfilo.”.

 

Sábado a noite animado do nerd solitário.

 

Vou me abster de divulgar se o diálogo acima é verdadeiro ou não, porém o drama retratado ali é real. Troque o “RPG” por “jogo de tabuleiro” ou ainda “Warhammer” e ainda assim o diálogo continua pertinente. Quantos de nós experimentam rotineiramente o dissabor de ver frustradas as reuniões dedicadas ao hobby em virtude de não dispor de um local apropriado para receber toda a galera.

 

Existem diversas soluções para esse problema, um deles é tomar as rédeas da vida, pagar contas e começar a mandar em casa encontrar um local neutro que possa sediar os encontros da turma, seja ele um espaço privado ou público. Alguns grupos que conheço optaram pela constituição formal de um clube com sede própria, caso do Clube Paulista de Wargames (CPW), do Tropas Polares, do The Warhounds, do Clube Dragon’s Cave e do Clube Gaúcho de Wargames (CGW), enquanto outros grupos se reúnem em lojas, caso hoje da Legião Potiguar de Wargames (e que também já foi o caso do antigo Martelo de Guerra, hoje The Warhounds). Como cada grupo acaba tendo uma dinâmica própria é preciso que ele encontre uma solução para sua problemática específica, o que nos trás ao artigo de hoje, uma resenha do estabelecimento que resolveu o problema do local de nossos encontros semanais: A Taverna Corvo Negro.

 

A Taverna Corvo Negro em toda sua glória e resplendor noturno. Eu sei, a foto ficou horrível.

 

Mais uma foto sofrível mostrando as placas que apontam ao nerd visitante que ele está no local correto.

 

As portas da Taverna.

 

Faço parte aqui em Cuiabá do Clube Cuiabano de Wargames e Boardgames, bandeira sobre a qual me reúno com amigos para curtir alguns de nossos hobbies em comum, e por algumas vezes acabamos experimentando alguns contratempos para marcar nossos encontros semanais na casa de um ou outro membro do clube. Quem apareceu com uma solução pro problema foi o André Mancini que nos convidou para despretensiosamente conhecer o empreendimento de um amigo que naquele momento ainda nem havia sido inaugurado.

 

Com a autorização dos proprietários, que naquela época ainda estavam testando o funcionamento da casa, acabamos marcando um encontro subsequente lá na Taverna para conhecer o espaço e devo admitir que me encantei de pronto. O local além de agradável e temático, surpreendeu desde o início pelo tratamento acolhedor que nos foi dispensado, recebendo a turma do CCWB de braços abertos, motivo pelo qual adotamos a Taverna como sede de nossos encontros já na semana subseqüente à nossa primeira visita e não nos arrependemos desde então.

 

 

 

 

Entrada da Bolha Card Games no pavimento superior.

 

Sala da Bolha Card Games. Nesse espaço rolam os eventos e campeonatos de Magic the Gathering organizados na Taverna.

 

 

Segundo um dos proprietários, o Otávio Subtil, a Taverna Corvo Negro é resultado de uma idéia antiga sua no sentido de possuir um local onde ele e seus amigos pudessem se reunir para praticar seus hobbies e que acabou se tornando realidade graças a uma conjunção de fatores. Segundo o Otávio com o fechamento das lojas que sediavam as reuniões dos jogadores de “Magic the Gathering” aqui em Cuiabá seu irmão, Henrique Subtil, e outro amigo Filippe Borges também sócios da Taverna, abriram um empreendimento próprio a “Bolha Card Games” para suprir essa lacuna. A proposta inicial da Taverna foi viabilizada com o aporte de recursos por parte de alguns clientes da “Bolha Card Games” que adquiriram quotas de clientes investidores, permitindo o aluguel e instalação da Taverna Corvo Negro em uma casda residencial, juntamente com os 10 sócios proprietários: Daniel Cunha, Napoleão Ricas, José Carlos Musis, Raphael Dias, Solon Otomura, Felipe Nunes e Guilherme Góes, além dos já mencionados Otávio, Henrique e Filippe.

 

Ainda segundo o Otávio, com a abertura das portas da Taverna, eles foram surpreendidos com a demanda por um espaço lúdico como o que eles estavam oferecendo, com cada vez mais pessoas passando a freqüentar a casa para jogar jogos de tabuleiro, culminando no pico de atendimento de cerca de 100 pessoas por noite, público esse de todas as faixas etárias e predominantemente feminino, o que já leva os sócios a pensarem em planos de expansão para o ano que vem.

 

A meu ver o segredo do sucesso da Taverna Corvo Negro reside na fórmula que eu mesmo venho experimentando como freqüentador assíduo da casa, fórmula esta que combina excelente atendimento, comida gostosa e de qualidade servida a preços justos e um local que recebe a todos igualmente para curtir seus hobbies sem qualquer preconceito, um ambiente em que as pessoas se sentem a vontade para compartilhar boas risadas com os amigos sem qualquer julgamento por parte dos outros freqüentadores (este artigo também pode ter contribuído para o crescente sucesso da casa).

 

 

O burger da casa.

 

Chopp Louvada!

 

Life Potion – Um dos drinques temáticos da Taverna.

 

ALMONQUEIJO! Merecidamente em maiúsculas.

 

Lascas de boi e fritas.

 

Uma das opções de sobremesa da casa.

 

Donuts da Sir Donnut.

 

Agora a Taverna ainda oferece rodízio de petiscos às quartas-feiras.

 

Além de todas as qualidades já mencionadas(e ilustradas com fotos que não fazem jus a quão gostosa é comida de lá) a taverna conta ainda com um extenso acervo de jogos da casa indo desde party games mais simples (como o Dobble e o omnipresente nas mesas Uno Stacko) aos mais complexos (como o ainda imbatível, ao menos aqui em casa, Eldritch Horror) todos disponíveis para empréstimo para uso no local.

 

A turma do Magic the Gathering sempre presente na Taverna.

 

Uma mesa animada de Dobble.

 

Magic the Gathering.

 

Uno Stacko, sempre garantia de risadas e sustos.

 

Casa cheia.

 

Ultimate Warriorz.

 

A galera do CCWB conhecendo o famoso Illuminati da Steve Jackson Games.

 

Felipe, um dos membros da equipe da Taverna explicando o jogo Coup.

 

 

 

Turma do CCWB em uma de nossas reuniões às quartas-feiras.

 

Guilherme, outro dos membros da equipe, explicando o jogo The Resistance para uma mesa lotada.

 

 

Survive.

 

Coup.

 

Chariot Race.

 

Henrique e Otávio, os irmãos Subtil, com parte das novas aquisições para o acervo de jogos da Taverna.

 

Parte do acervo de jogos da Taverna Corvo Negro.

 

Não foi por acaso que a turma do CCWB adotou o local como sede das nossas jogatinas de quarta-feira à noite, e pelo que temos podido ver, outras turmas como a nossa estão fazendo da Taverna seu local de jogos.

 

 

 

Você mora aqui em Cuiabá, ou está de passagem pela cidade e ficou curioso para conhecer o espaço? Quer um local para encontrar seus amigos e compartilhar momentos divertidos e boa risada? Quer recrutar aventureiros para suas aventuras, ou encontrar novos parceiros de jogatina? Acho que a Taverna Corvo Negro receberá a todos de braços abertos.

 

Ah! O endereço, claro. A Taverna fica na Rua Samatra, nº 49 no bairro Jardim Shangri-lá e tem como telefone de contato o (65) 99660-0536. A casa abre de terça a domingo a partir das 18:00, porém atende com horários especiais dependendo da ocasião, valendo acompanhá-la nas redes sociais (Facebook e Instagram) onde normalmente são publicados os anúncios de eventos que rolam por lá.

 

 

AH! E se aparecer por lá em uma quarta-feira ainda corre o risco de encontrar comigo e com o restante da galera do CCWB.

 

Seja digno de partilhar sua glória! Grande abraço e até breve.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *